Tag: Administração

CAEL: Alunos de administração visitam fábrica da Nestlé, em SP

 

Atividade extracurricular proporcionou uma noção empírica de uma grande empresa

Por Gian Cornachini
gian@feuc.br

Imagine uma grande fábrica, repleta de uma enorme linha de produção de… chocolates! Se você pensou na Fantástica Fábrica de Chocolate, chegou bem perto. Na verdade, trata-se da fábrica de chocolates da Nestlé, localizada em Caçapava, no interior de São Paulo – destino em que nossos estudantes do curso técnico em Administração do CAEL se aventuraram, ontem, dia 27 de abril. Os alunos percorreram mais de 300 quilômetros (4h30min de viagem por trecho) para ver, de perto, o processo industrial de uma empresa de grande porte.

Estudantes aprenderam sobre o processo da fabricação de chocolates. (Foto: Alessandra de Souza) Estudantes aprenderam sobre o processo da fabricação de chocolates. (Foto: Alessandra de Souza)

O tour Nestlé Chocolover foi um verdadeiro desafio de dar água na boca. Os estudantes puderam ver o passo a passo da fabricação de chocolates e bombons, entender como funcionam as plantações de cacau e ter dimensão de como é o processo organizacional, desde o cacau moído até a embalagem, para obter um produto a partir de uma linha de produção em série.

CAEL - Visita tecnica na Nestle Chocolates 8

Coordenadora do curso aproveitou para fazer um registro divertido na fábrica. (Foto: Arquivo Pessoal/Alessandra de Souza)

A coordenadora do curso, professora Alessandra Cardoso de Souza, explica a motivação de realizar a atividade com os alunos: “A importância dessa visita é a de agregar valores pessoais e profissionais aos nossos alunos, além de motivá-los para o exercício futuro da profissão nas áreas afins”, explicou a professora. “Queríamos que eles visualizassem, na prática, a teoria aprendida em sala de aula, sobre um processo de produção através de um trabalho de excelência”, observou.

E foi exatamente isso que os estudantes conseguiram extrair da atividade, como afirma Mariana Aguiar, do 3º ano do técnico em Administração: “Fomos super bem-recepcionados, e podemos ver toda a produção da fábrica, coisa que eu, pelo menos, nunca havia visto. E a primeira coisa que eu fiz quando saímos de lá foi falar para uma amiga sobre a produção em série que estudamos no 1º ano, e que lá era muito mais mecanizada do que manual”, contou a aluna.

Por motivos de segurança, não foi permitido fotografar dentro da fábrica, onde acontece o processo industrial. Mas foi liberado a fotografia em alguns dos espaços. O álbum completo da visita você confere em nossa página no Facebook, clicando aqui.

Sistemas de Gestão Empresarial e sucesso profissional são temas de evento de Administração

Especialistas do mercado vêm à FEUC compartilhar conhecimentos e dicas da área

Por Pollyana Lopes e Gian Cornachini

A II Semana do Administrador aconteceu nos dias 8 e 9 de setembro, no Auditório FEUC, trazendo para a instituição palestras com profissionais de vasta experiência de mercado e sólida formação acadêmica. No primeiro dia, o gerente de Tecnologia de Informação da Guaracamp, Alcione Dolavale, falou sobre Gestão Empresarial na Logística e trouxe exemplos de como a implementação de Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, ERP, a sigla em inglês para Enterprise Resource Planning, promove o melhor funcionamento das empresas. Ele, que é graduado em Tecnologia da Informação e tem mestrado em Logística pela PUC-Rio e MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV, destacou também a importância de estreitar os laços entre o mercado e as faculdades.

Alcione Dolavale destacou a importância da relação entre o mercado e as faculdades e deixou o e-mail do setor de Recursos Humanos da empresa em que trabalha para os alunos enviarem currículos. (Foto: Pollyana Lopes)

Alcione Dolavale destacou a importância da relação entre o mercado e as faculdades e deixou o e-mail do setor de Recursos Humanos da empresa em que trabalha para os alunos enviarem currículos. (Foto: Pollyana Lopes)

“Para nós, que estamos no mercado, é muito valiosa essa oportunidade de ir às faculdades, de encontrar com alunos. Afinal de contas, é aqui que estão sendo formados os futuros profissionais”.

Já na palestra de Paulo Panesi, convidado a participar do encerramento da II Semana de Administração — que aconteceu na sexta-feira, dia 9 de setembro —, o foco da discussão foi “sucesso” e os caminhos para conquistá-lo. Panesi, que tem especialização em Gestão de Pessoas e Gestão de Marketing, além de pós-graduação em Logística, atuou em grandes empresas como Xerox do Brasil e Polaroid, e afirmou que uma das principais chaves para ter uma carreira promissora é trabalhar com o que gosta: “Escolha fazer alguma coisa que você tenha prazer, porque, segundo Aristóteles, quem faz o que gosta, se diverte a cada dia”.

Panesi: "Escolha fazer alguma coisa que você tenha prazer". (Foto: Gian Cornachini)

Panesi: “Escolha fazer alguma coisa que você tenha prazer”. (Foto: Gian Cornachini)

O administrador acredita que o profissional precisa ter atitude e não esperar as oportunidades aparecerem. Segundo Panesi, a postura de quem está interessado em crescer determina, de fato, o que ele quer: “Quantas pessoas vocês conhecem e que estão no Facebook fazendo absolutamente nada? E depois vão dizer que vocês deram sorte? Nada cai do céu. Se vier uma coisa muito de graça, desconfie do custo que vocês vão ter que pagar por aquilo”, ponderou ele.

Coordenador de Administração discute o cenário empresarial em primeira palestra do curso

 

A pouco menos de um mês para o início das aulas, a nova graduação já ofereceu uma atividade aberta ao público

Por Gian Cornachini
emfoco@feuc.br

O primeiro evento do novo curso de Administração da FEUC aconteceu antes mesmo de a graduação começar. Com o tema “Tendências empresariais no cenário econômico atual”, a palestra de Vladimir Leite Gonçalves, coordenador do curso, abordou a importância de diversos fatores que impactam diretamente no sucesso das organizações. O encontro aconteceu ontem à noite, dia 15, e reuniu estudantes de diversos cursos das FIC e de outras instituições de ensino da região.

Vladimir destacou que as facilidades de acesso ao crédito e ao financiamento têm elevado o poder de compra das classes C e D, que hoje consomem juntas, segundo ele, mais que a classe A. E esse é, para Vladimir, um ponto importante a se observar para compreender como está o cenário econômico atual: “Eu tenho que entender que as pessoas querem ter acesso a bens de consumo mais rápido. E se eu parcelo as minhas mercadorias, a tendência é que eu consiga um maior volume de vendas comparado à comercialização exclusivamente à vista”, apontou o professor.

Vladimir: "A grande tendência das organizações é apostar na liderança". (Foto: Gian Cornachini)

Vladimir: “A grande tendência das organizações é apostar na liderança”. (Foto: Gian Cornachini)

No entanto, para poder estar sempre em atividade, uma organização depende, segundo Vladimir, dos fatores tecnológicos e de inovação. Ele afirmou que qualquer empresa precisa acompanhar as tecnologias para se aperfeiçoar mais, inovar e se tornar competitiva: “O processo de mudança influenciado pela tecnologia é crucial para as empresas. O fator que a gente chama de inovação é o ponto de queda das organizações. Empresa que não inova, sucumbe”, destacou.

O ponto central da fala de Vladimir foi a figura do líder. De acordo com o professor, é nele que as empresas depositam a confiança para gerenciar todas essas inovações. “A grande tendência das organizações é apostar na liderança. Sem líder, a gente não gera inovação, novas tecnologias, novos produtos e mudanças”, explicou ele.

E qual seria o perfil de um líder? Para o professor, alguém que saiba conduzir sua equipe rumo ao sucesso: “O líder é aquele que atinge resultados por meio das pessoas. É quem ouve mais do que fala, que toma decisões certeiras, que suplanta estratégias com foco nos resultados. Se você for capaz disso, e enxergarem isso em você, certamente será um bom líder”, ressaltou Vladimir, lembrando que esse é um dos principais focos de formação no Bacharelado em Administração das FIC: “Nosso curso vai estudar tudo isso. É prioridade na formação que queremos oferecer a vocês”, completou.

Jaqueline: "Tenho que ficar por dentro do mercado, pois ele está sempre em mudanças". (Foto: Gian Cornachini)

Jaqueline: “Tenho que ficar por dentro do mercado, pois ele está sempre em mudanças”. (Foto: Gian Cornachini)

Estudante do 6º período de Letras-Inglês, Jaqueline Batista Silva participou da palestra e se interessou ainda mais pelo universo empresarial. Ela, que fez apenas um período do curso em 2006, mas decidiu mudar para Letras devido a seus conhecimentos na área de idiomas, pretende abrir o seu próprio negócio: “Eu vi o cartaz do evento e resolvi participar porque tenho algumas ideias relacionadas com a área de educação, inovação e tecnologia. Mas, para pôr em prática, tenho que ficar por dentro do mercado, pois ele está sempre em mudanças e exige que saibamos gerenciar tudo muito bem”, afirmou Jaqueline, que já está de olho nos programas de pós-graduação na área de gestão e pedagogia empresarial da FEUC.

A estudante ainda valorizou a abertura do curso de Administração: “Eu achei ótimo ter mais essa oportunidade. Comecei a cursar Administração em 2006 na Simonsen, e era a única faculdade na região e mais perto de Santa Cruz, onde moro, que tinha o curso. A FEUC já tem uma bagagem de 50 anos na estrada lidando com o Ensino Superior. Acho que ela está indo no caminho correto!”, ressaltou a estudante.

Sobre o curso de Administração

O bacharelado em Administração da FEUC terá duração de quatro anos (oito semestres) e será oferecido no período noturno, com 120 vagas anuais — 60 a cada semestre. A mensalidade custará R$ 598,32 sem descontos ou R$ 562,42 para pagamento antecipado. Para se candidatar a uma vaga, o interessado deve iniciar a inscrição no site do vestibular da FEUC: http://www.feuc.br/vestibular.

Administração: Mais uma oportunidade para se graduar

 

Autorizada pelo MEC e com aval do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro, a FEUC abre em agosto a primeira turma de sua mais nova graduação. Saiba um pouco sobre o novo curso e a atuação do profissional no mercado de trabalho

Por Gian Cornachini
emfoco@feuc.br

Figurando com destaque na formação de professores em nível superior na Zona Oeste do Rio de Janeiro há mais de 50 anos, a Fundação Educacional Unificada Campograndense expande um pouco mais o leque de alternativas na oferta de vagas, com a abertura de seu segundo bacharelado, desta vez em Administração. Após submeter pedido ao Ministério da Educação (MEC) e cumprir os requisitos necessários para a implantação do novo curso, a FEUC recebeu autorização oficial do órgão federal no último dia 30 de maio e já está realizando seleções para sua nova graduação, que terá as aulas iniciadas no mês de agosto. As inscrições para o vestibular 2014.2 estão abertas desde o começo de junho.

Administracao na FEUC

Imagem: Gian Cornachini

Assim, a FEUC passa a contar em seu portfólio com dois bacharelados (Administração e Sistemas de Informação) e sete licenciaturas (Ciências Sociais, Computação, Geografia, História, Letras, Matemática e Pedagogia), mantendo nos dois eixos de formação seu já tradicional compromisso com a preparação do aluno para o mercado de trabalho e o exercício da cidadania, a partir de uma educação crítica e de qualidade.

O porquê do curso

Desde que começou a trabalhar para aumentar suas alternativas na oferta de cursos superiores, a FEUC preocupou-se não somente em oferecer graduações que pudessem cair no gosto do público alvo, mas também unir esse aspecto à questão das necessidades de mão de obra qualificada na região. Em outras palavras, oferecer aos candidatos opções de formação que lhes assegurassem tanto realização intelectual quanto maior empregabilidade. Para isso, pesquisou que profissões a região carecia. Quem explica é o Coordenador Acadêmico das FIC, professor Valdemar Ferreira: “Fizemos estudos preliminares para saber qual seria o curso mais adequado para oferecermos neste momento. Tendo em vista a quantidade de empresas que têm se instalado na região e nas cidades vizinhas, vimos que o ideal seria criar a graduação em Administração”. De fato, a nova configuração da Zona Oeste aponta neste sentido, com fortíssimo comércio, crescimento industrial, explosão da região como centro gastronômico e extrema ampliação na área de serviços que abrange não somente Campo Grande, mas também municípios vizinhos como Itaguaí, com seu porto, Paracambi, Seropédica, Mangaratiba e ainda a expectativa de mais crescimento com o futuro anel viário.

Para abrir um curso, no entanto, não basta apenas o desejo da instituição: é necessário que o MEC autorize, o que só acontece após análise do Plano Pedagógico do Curso (PPC) e uma visita às instalações da faculdade para checar a infraestrutura. Também foi preciso que o Conselho Regional de Administração (CRA) desse seu aval, após avaliar, dentre diversos pontos, se a oferta do curso seria pertinente à população local, como detalha o Presidente do CRA-RJ, Wagner Siqueira: “Consideramos aspectos referentes à demanda da região e à quantidade de vagas ofertadas, aos impactos sociais e econômicos que a oferta deste curso provocará na região e à inovação, que se opõe à estrutura tradicional dos cursos já existentes”.

Em relatório encaminhado à FEUC após a análise, o CRA-RJ elencou uma série de fatores favoráveis à criação do curso. De acordo com o parecer, existem hoje 47 mil administradores no Rio de Janeiro habilitados legalmente para exercer a profissão. O estado é o segundo no país com o maior número de empresas: são quase 630 mil, atrás apenas de São Paulo, que lidera com mais de 1,5 milhão. Diante disso, o CRA-RJ aponta que há um déficit significativo de administradores em todo o estado, pois os novos formados a cada ano ainda representam um número “insuficiente para prover o mercado”, visto que as empresas “ainda encontram dificuldade de contratação de profissionais da área de administração, seja por escassez no mercado ou por falta de mão de obra qualificada na região”. Tal cenário mostrou que não poderia haver momento melhor para a FEUC dar sua contribuição com a formação de novos administradores.

Atuação e faixa salarial

O curso de Administração é bastante abrangente, pois a atuação dos profissionais se estende por áreas como planejamento, organização e gestão de empresas, gerenciamento de finanças, de materiais ou de recursos humanos, dentro de organizações privadas, públicas, não governamentais ou mesmo no empreendimento autônomo. O ganho inicial médio, segundo o Guia de Profissões do portal iG Educação, com base em dados do Guia de Salários Robert Half (2010-2011), varia de R$ 1,8 mil a R$ 2,8 mil para analistas em pequenas e médias empresas (PMEs) e de R$ 2,8 mil a R$ 3,7 mil em grandes empresas (GEs). No cargo de gerência, a faixa salarial salta para R$ 7 mil a R$ 10 mil nas PMEs e de R$ 10 mil a R$ 16 mil nas GEs.

Sirlane Marques, de 34 anos, analista de Recursos Humanos da FEUC, formou-se em Administração em 2002, tem pós-graduação em Gestão Educacional e já trabalhou como supervisora de logística no Comprafacil e como supervisora de coordenação de graduação em instituição de Ensino Superior. A funcionária valoriza as possibilidades de emprego na área: “A gente nunca fica sem emprego, mas é preciso ser um bom profissional e se especializar, estar sempre se reciclando, porque o mercado pede que você esteja aprendendo coisas novas”, observa.

Vislumbrando as diversas áreas de atuação que o campo permite, Damares de Azevedo Siqueira, de 24 anos, apesar de possuir graduação em outra área, optou pela carreira em Administração. Ela, que sempre amou mexer com números, fez Curso Técnico em Informática no CAEL, estagiou na Superintendência da FEUC e depois foi contratada como auxiliar administrativa na secretaria do setor. Em 2009, licenciou-se em Matemática pelas FIC, mas o contato diário com a parte administrativa no trabalho acabou levando-a a buscar uma segunda graduação que contemplasse essas novas aptidões. No fim deste ano, Damares se formará em Administração pela Faculdade Machado de Assis (FAMA), e a qualificação até já lhe rendeu uma promoção: ela agora responde pela chefia do expediente na Secretaria da Superintendência. “Eu me identifiquei mais com essa área pela amplitude de funções que podemos ter. E aqui eu acabo buscando como aplicar o que aprendo no curso para contribuir com o crescimento da FEUC e com a melhora no atendimento aos nossos alunos”, ressalta Damares.

Justamente na procura por alavancar a carreira dentro da empresa, Bruno Coutinho Ribeiro, de 27 anos, morador de Campo Grande e funcionário do setor de contas da Unimed-Rio, decidiu candidatar-se ao curso de Administração da FEUC para iniciar a graduação em agosto: “Escolhi ‘ADM’ como minha primeira graduação para crescimento profissional. Eu tenho interesse em concluir o curso para poder atuar no setor de Recursos Humanos dentro da Unimed”, conta Bruno. “Estou super ansioso para o início das aulas, pois quero aumentar o conhecimento profissional dentro da área que almejo seguir”, revela.

Perfil Profissional

A Zona Oeste e região são ótimas fontes de emprego hoje, principalmente porque médias e grandes empresas estão instaladas nos bairros de Campo Grande, Guaratiba, Santa Cruz e nas cidades de Itaguaí e Mangaratiba. Mas, apesar da lista de possibilidades ser grande, todas elas buscam um determinado perfil profissional. A administradora de relações institucionais da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A (Nuclep), Tatiane Pinto de Oliveira, dá as características do profissional adequado para a empresa, que está instalada em Itaguaí e conta com 14 administradores em um total de 1.053 empregados: “A demanda hoje é por profissionais engajados, que tenham foco no trabalho realizado e, principalmente, visão sistêmica”, aponta Tatiane. “É preciso compreender que as atitudes e decisões tomadas dentro de cada área refletirão na empresa como um todo. O mercado está em um ritmo muito acelerado de inovações, e isso demanda profissionais que tenham dinamicidade suficiente para acompanhá-lo”, destaca.

A administradora também dá dicas de como começar a desenvolver as competências que a área exige. De acordo com Tatiane, o ideal é que desde a graduação o estudante já esteja engajado em atividades voltadas para a Administração: “A faculdade prepara tecnicamente o profissional, porém o mercado de trabalho exige outras habilidades que precisam ser desenvolvidas ao longo do curso universitário, através de estágios, projetos voluntários, participação em cursos e atividades extracurriculares, que poderão auxiliar no preenchimento dessas lacunas”, explica. “Dessa forma, o profissional apresentará um diferencial que tem sido procurado por grandes empresas e atrairá melhores oportunidades no mercado de trabalho”, conclui Tatiane.

Ter um diferencial também é bandeira levantada por Anderson Renon, de 27 anos, estudante do último período de Administração na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Ele mora na Zona Oeste e sempre buscou empregos na região para poder conciliar estudo e trabalho. Anderson já foi estagiário de logística e qualidade na Ambev e hoje atua como administrador na parte de projetos da Cogumelo (empresa em Campo Grande que fabrica materiais em fibra de vidro), onde entrou como estagiário. O formando acredita no potencial que a região tem em captar profissionais locais, mas aponta a necessidade de se especializar em uma área como saída para a concorrência: “O polo industrial de Campo Grande e Santa Cruz tem aberto muitas oportunidades, mas a competição está bem acirrada”, afirma. “Muita gente investe em inglês e informática, que são necessários, mas é preciso investir em alguma peculiaridade que te faça se destacar na multidão para garantir uma fatia do mercado. Eu, por exemplo, vou me aprofundar na área de estatística aplicada ao marketing e à produção”, conta Anderson, que passou para o mestrado em Estatística Aplicada da Universidade de São Paulo (USP), mas não se mudará para o estado vizinho, já que a Administração no Rio lhe rende um bom salário que permite financiar suas idas às aulas, às sextas-feiras e sábados.

Sobre o curso

O bacharelado em Administração da FEUC terá duração de quatro anos (oito semestres) e será oferecido no período noturno, com 120 vagas anuais — 60 a cada semestre. A mensalidade custará R$ 598,32 sem descontos ou R$ 562,42 para pagamento antecipado.

“O novo curso é como um filho que chega. E a gente vai cuidar dele para que tenha o padrão FEUC de qualidade”, ressalta Valdemar Ferreira, coordenador acadêmico das FIC.

 

O coordenador de Administração e seus planos para o novo curso

 

DSC_0192Vladimir Gonçalves tem apenas 39 anos e uma vasta experiência profissional. Começou a carreira no Exército Brasileiro, com o treinamento de oficiais e administração de pessoal, e assim descobriu sua vocação para o Magistério. Trabalhou em grandes empresas como Bradesco, IBM e Ambev. É bacharel em Administração, especialista em E-commerce, mestre em Economia Empresarial, Finanças e Estratégia Empresarial, e MBA em Gestão de Negócios. Hoje, dedica-se exclusivamente ao Ensino Superior, atuando como Coordenador Acadêmico de Educação a Distância (EAD) da IBMEC, Coordenador de pós-graduação EAD do Senac-Rio, professor da Faculdade Castelo Branco e, agora, como o mais novo coordenador de curso da FEUC.

Feuc em Foco: O que o estudante deve esperar para o curso de Administração? Como será a rotina de estudos?

Vladimir: Queremos implementar uma rotina de estudos intensa, em que desde o primeiro período ele comece com as redes de leitura, com toda uma preparação para interpretação de texto — que é importante para o administrador — mas também será um curso muito voltado para a prática do dia a dia do mundo empresarial, porque o administrador vai atuar em uma empresa, seja grande ou pequena. Ele vai ter contato com a aplicação prática daquele conteúdo com o dia a dia da organização. A metodologia e o contexto foram preparados para que o aluno pudesse manter uma rotina de estudos conciliada com o trabalho, já que o curso será noturno. Mas também terá uma rotina muito focada na aplicação prática dos conhecimentos que a gente queira passar.

FF: O que são essas aplicações práticas?

V: A gente vai trabalhar muito com estudo de caso, com exemplos práticos dos professores, que terão cunho acadêmico, mas também vivência no mercado. Então, vamos trabalhar muito com a vivência pessoal desse professor, com os casos do meio acadêmico e casos verídicos que a gente vê hoje no nosso cotidiano. Teremos muita aplicação teórica com aplicação prática.

FF: Também haverá espaço para as turmas visitarem empresas e verem a parte prática?

V: Sim, temos espaço para visitas técnicas, principalmente porque estamos inseridos em uma região muito rica em termos de indústria. A gente pensa em fazer visitas técnicas a essas instituições para ver o dia a dia das operações, da produção, das atividades meio, como funciona a rotina da empresa. E isso acaba sendo a grande práxis do mercado, que é trabalhar com foco nas empresas.

FF: A primeira disciplina específica do curso no 1º período será “Fundamentos da Administração”, e o senhor é quem vai lecionar. O que será abordado?

V: Vamos trabalhar os quatro pilares básicos do administrador, que são quatro perspectivas de atuação desse profissional dentro do cenário empresarial. São elas o ‘planejamento’, a ‘organização’, a ‘direção’ e o ‘controle’. Essas quatro conjunções fazem com que o administrador tenha um norte do que ele precisa saber para aplicar os conhecimentos administrativos dentro da empresa em que trabalha.

Foto: Gian Cornachini

Foto: Gian Cornachini

FF:  Professor, todas as empresas têm que ter um administrador ou apenas algumas específicas, de determinados ramos?

V: Sim, toda empresa precisa de um profissional de Administração para poder entender e interpretar melhor os processos que envolvem as atividades relacionadas ao marketing, recursos humanos, produção, logística, finanças, entre outras atividades de domínio do administrador. Qualquer ramo de atuação das empresas precisa desse profissional.  Não podemos imaginar uma indústria de aço, por exemplo, sem um planejamento adequado de produção e um controle de estoques coerente, que façam funcionar a produção, ou mesmo um bom plano de recursos humanos. Todas essas atividades são realizadas por um administrador. E, por esse motivo, ele é conhecido como um profissional de formação ampla e geral, pois pode atuar em todos os ramos.

FF: E é possível medir a necessidade de um administrador pelo tamanho da empresa? Ou seja, a partir de tantos funcionários será necessário um profissional da área de Administração?

V: Podemos dizer que, a partir de um funcionário, a empresa precisa de um administrador. A preocupação com a gestão financeira, os resultados operacionais, o planejamento estratégico, a divulgação, promoção, as pessoas, tudo dentro da organização passa pelo administrador.  Empresas de qualquer área da economia e de qualquer porte precisam desse profissional para alcançarem o sucesso ou, ainda, os objetivos traçados.

Administração: Novo curso das FIC

 

MEC dá sinal verde para instituição começar a ofertar o bacharelado a partir do segundo semestre deste ano                                                         

Por Gian Cornachini
emfoco@feuc.br

As Faculdades Integradas Campo-Grandenses (FIC) receberam autorização do Ministério da Educação (MEC) para oferecer um novo curso na instituição: bacharelado em Administração. A partir do segundo semestre deste ano, a FEUC iniciará a formação de futuros administradores, e passará a contar com nove graduações, sendo sete licenciaturas e dois bacharelados.

O curso de Administração já era uma demanda antiga da comunidade da região, fato confirmado pela telefonista da FEUC Jenifer Kezia Palma: “Administração é um dos cursos mais procurados por quem liga pra cá. Eu dizia que não tinha e eles perguntavam se eu conhecia uma outra faculdade por perto que oferecesse a graduação”, conta ela. A busca pelo curso na região é um reflexo da oferta de trabalho, como explica Valdemar Ferreira da Silva, coordenador Acadêmico das FIC: “Temos muitas empresas instaladas nas redondezas da FEUC e em cidades vizinhas, como o caso de Itaguaí, que tem atraído indústrias para a região por conta da abertura do porto na cidade. E são poucas instituições por aqui que têm o curso de Administração. Há uma demanda reprimida na área”, observa Valdemar.

O pedido de abertura do curso, formalmente apresentado ao MEC, foi aprovado após visita de duas avaliadoras do órgão na primeira quinzena de março. Elas consideraram adequadas a estrutura da FEUC e o projeto da graduação, que já começará a ser ofertada no período noturno do próximo semestre. Serão 120 vagas anuais, sendo metade destinada ao vestibular do início do ano e o restante para o segundo semestre. Vladimir Leite Gonçalves é o novo coordenador do curso. Contratado especialmente para o cargo, o professor é bacharel em Administração, especialista em Comércio Eletrônico e mestre em Economia Empresarial. Além da carreira docente, Vladimir acumula vasta experiência profissional na área: já trabalhou em empresas como Ambev, IBM e Bradesco, e no Exército Brasileiro.

Professores Rafael Neves (à esquerda) e Valdemar Ferreira (à direita) apresentam a instituição para Vladimir Gonçalves, o novo coordenador de Administração (no centro). (Foto: Gian Cornachini)

Professores Rafael Neves (à esquerda) e Valdemar Ferreira (à direita) apresentam a instituição para Vladimir Gonçalves (no centro), o novo coordenador de Administração. (Foto: Gian Cornachini)

“Estamos muito confiantes no curso de Administração da FEUC, pois o corpo docente envolvido no projeto é excelente”, afirma o coordenador. “Constatamos uma carência na região de cursos com qualidade e compromissados com o atendimento de nossa população local.  Estou esperando que essa abertura possa significar um novo marco na educação superior presente na região e que isso possa servir de impulsionador aos nossos futuros alunos e para o mercado de trabalho”, ressalta Vladimir.

Dados do Censo de Educação Superior de 2012 divulgados no ano passado pelo MEC apontam que Administração é o curso mais procurado no Brasil. Ao todo, são mais de 800 mil estudantes matriculados. No entanto, os números não representam grande concorrência para os interessados na área, como explica o professor Vladimir: “Ainda é pouca a formação dessa mão de obra. Temos um cenário que nos mostra um déficit entre a demanda das empresas e a nossa capacidade de formar administradores. Com isso, podemos esperar que o mercado de trabalho absorva a mão de obra qualificada para atender às suas necessidades”, garante o professor.

As oportunidades de emprego para os futuros administradores são muitas, pois podem atuar em qualquer tipo de empresa, desde o ramo de siderurgia até educação, por exemplo. “Isso ocorre pelo fato de que qualquer empresa necessita de um profissional habilitado ao exercício de um plano de carreira, à execução de um orçamento ou controle de fluxo de caixa. Mas há carência nas áreas de projetos, logística e finanças.  Por este motivo, bons profissionais nessas áreas são contratados a ‘peso de ouro’.  Uma preparação de excelência, aliada ao curso de idiomas, trará bons frutos para os novos administradores”, aponta o professor Vladimir.

O presidente da FEUC, professor Durval Neves, acredita que Administração está vindo na hora certa. Segundo ele, a gestão da educação cada vez mais adquire um grau de complexidade que pede soluções criativas e bem dosadas. Como a FEUC tem a tradição de incorporar egressos da graduação em seus quadros profissionais, pode vir futuramente a se beneficiar disso: “Apesar de, no nascedouro, a faculdade ter sido de formação de professores, com o tempo ela caminha para outras direções. Por exemplo, no momento em que a FEUC sentiu necessidade de se informatizar, a maneira mais inteligente que encontrou foi também abrindo o curso de bacharelado em Sistemas de Informação. Isso trouxe um crescimento espetacular não somente no aspecto acadêmico, mas também nos serviços prestados à comunidade e na gestão administrativa, pois o saber especializado dos profissionais da área contribuiu muito para nossa expansão”, lembra Durval. “Com Administração esperamos que aconteça a mesma coisa, e signifique uma nova etapa de crescimento e desenvolvimento da instituição. E outros cursos ainda virão. Estamos estudando algumas possibilidades na área de tecnologia e até mesmo engenharias”, revela, com otimismo, o presidente.