‘Psico’ o quê?

0 Flares 0 Flares ×

 

A pergunta, comumente ouvida por quem trabalha na área, esconde a ciência importantíssima para o processo de ensino-aprendizagem

Por Pollyana Lopes
emfoco@feuc.br

Você sabe o que é a Psicopedagogia? Onde atua o profissional formado nessa área e qual a função social dele? Essencial para uma educação mais inclusiva, que atenda crianças e jovens com dificuldades de aprendizagem e/ou síndromes genéticas que impedem o acompanhamento natural na educação formal, o psicopedagogo pode atuar tanto no ambiente institucional, em escolas e empresas, quanto em atendimentos particulares, clínicos.

Leila: "Quando chega uma pessoa com dificuldades, nós temos que diagnosticar ". (Foto: Pollyana Lopes)

Leila: “Quando chega uma pessoa com dificuldades, nós temos que diagnosticar “. (Foto: Pollyana Lopes)

É da interseção da Pedagogia com a Psicologia que surge essa área do saber que se dispõe a identificar e tratar a não-aprendizagem. A profissão ainda aguarda regulamentação, mas, em geral, o psicopedagogo tem formação em Pedagogia ou em Psicologia, e agrega ao currículo uma pós-graduação especializada, como as oferecidas pela FEUC.

No curso estão incluídas disciplinas como Pedagogia como Ciência da Formação Humana; Dinâmica de Grupo e Jogos; A Psicopedagogia e a Neurociência; Introdução à Psicopedagogia: a Epistemologia Convergente; Educação Inclusiva; além de estágios e seminários para produção do Trabalho de Conclusão do Curso.

“O psicopedagogo aprende um procedimento de trabalho. Quando chega uma pessoa com dificuldade, nós temos que diagnosticar onde está a dificuldade dela, se é da leitura, se é da escrita, se é algo orgânico, se é uma questão emocional, se é uma questão familiar, se é algo mental, psicológico, ou se tem algum comprometimento no cérebro. E aí então se desenvolve alguma estratégia para mudar esse quadro”, explica a professora Leila Queiroz Evaristo da Silva, que leciona nos cursos de Psicopedagogia Clínica e Psicopedagogia Institucional da FEUC.

A atuação do profissional só não tem mais notoriedade e reconhecimento devido à ausência de regulamentação. É o que busca a Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp) e os sindicatos recém-criados. Por outro lado, a perspectiva é ampla, pois a necessidade de normatizar a atividade é pungente e, com isso, virão os concursos públicos, como os que já aconteceram em várias cidades, que incluem São Paulo e Nova Iguaçu.

A Psicopedagogia em debate

Com o intuito de reforçar a importância do profissional da área e capacitá-lo ainda mais com debates atuais ligados ao tema, a FEUC promoveu, no dia 14 de novembro, o I Encontro Psicopedagógico, pioneiro na Zona Oeste. O evento trouxe profissionais da região e atraiu estudantes de outras instituições, debateu métodos, apresentou casos de sucesso e aproveitou para celebrar o Dia do Psicopedagogo, oficialmente comemorado em 12 de novembro.

“Esse encontro foi organizado pensando na nossa região, a Zona Oeste, Campo Grande, Santa Cruz, Mangaratiba, Seropédica, Itaguaí. Porque o psicopedagogo de Copacabana, Botafogo, da Zona Sul em geral, já tem um nome, é reconhecido, é procurado. Nossa região também tem esses profissionais, mas eles estão quietinhos, escondidos, enquanto fazem um trabalho belíssimo. Nós queremos que vocês conheçam esses trabalhos, para a gente partilhar e crescer”, explicou a professora Leila, que foi uma das organizadoras do evento.

Dentre as atividades, é possível destacar a participação das alunas do curso de Psicopedagogia Clínica, Isabela Carvalho Costa, Patrícia Bárbara Dias Duarte e Simone Otaviano, que estiveram presentes no X Congresso Brasileiro de Psicopedagogia, realizado em São Paulo, e trouxeram para o evento da FEUC os principais temas lá apresentados. Você pode ler mais sobre isso na cobertura feita pela FEUC em Foco, no link http://www.feuc.br/revista/?s=psicopedagogia.

Isabela contou como foi uma das palestras do X Congresso Brasileiro de Psicopedagogia. (Foto: Pollyana Lopes)

Isabela contou como foi uma das palestras do X Congresso Brasileiro de Psicopedagogia. (Foto: Pollyana Lopes)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


− sete = 1

Somente serão aceitos comentários de autor identificado, relacionados ao assunto em pauta e que não contenham termos ofensivos.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×